sábado, 30 de janeiro de 2010

Eliana Ribeiro: "Eu devo minha conversão ao padre Léo"

Foto: Padre Léo e Eliana Ribeiro cantam a música UTOPIA após
a homilia "Gaste tempo com seu filho", de 28/12/2003

Eu devo minha conversão ao padre Léo

"Para mim, foi emocionante representar o padre Léo na homenagem que o padre Jonas, o Eto e a Luzia fizeram para ele na missa de sétimo dia do padre. Quando a Mosângela, minha irmã de comunidade, ligou-me dizendo que eu e o Fábio iríamos representar o padre Léo, chorei ao telefone, pois a minha amizade com ele começou aqui na Canção Nova. Antes disso, porém, minha conversão aconteceu por causa dele.

Quando eu tinha 16 anos, participei de um encontro de jovens na minha cidade, Espírito Santo, onde o padre Léo pregou. Eu estava perdida na vida até o último fio de cabelo, com drogas e bebidas, ou seja, uma vida completamente desregrada. Nesse retiro, por meio das pregações e de um momento de oração, eu voltei para Deus. Eu devo a minha a minha conversão ao padre Léo.

Só pude conhecê-lo quando cheguei à Canção Nova, no carnaval de 2000. Eu cantei "Sonda-me" na missa. Ele não me conhecia nem eu sabia que ele era o padre Léo. Ele perguntou quem eu era, e eu disse que era consagrada da comunidade. Depois, eu fui trabalhar na produção do programa "Tenda do Senhor", na TV Canção Nova, e lá eu pude conversar mais com ele e testemunhar a minha conversão. Naquele momento começou uma linda amizade.

Quanta falta ele faz! Parece, às vezes, que ele ainda está vivo, tão grande é a sua presença. Uma das características dele é que, como pai, amigo, sacerdote e irmão mais velho, ele sempre acreditava nas pessoas, mesmo se elas não tivessem nada para oferecer.

Um fato engraçado na gravação deste primeiro CD foi quando eu o dirigi no estúdio de gravação. Repeti por três vezes, com toda a delicadeza do mundo (afinal ele era um padre), que ele estava semitonando e pedia que ele repetisse. Docilmente ele voltava e repetia. Na terceira vez que eu disse isso, ele falou: "Minha filha, eu não estou semitonando. Eu sou é desafinado mesmo!".

Ele fez como o grão de trigo que caiu na terra e morreu para gerar vida. Se ele já gerou tanta vida quando estava vivo, ainda mais agora que ele morreu e nasceu para a vida eterna. Para mim, o padre Léo é uma referência de homem de Deus, de coragem, de sacerdote. Ele passou por aqui, viveu e testemunhou o Jesus que ele acreditava e que acreditou até o fim."

Eliana Ribeiro
Missionária da Comunidade Canção Nova

10/01/2007


Eliana Ribeiro e seu marido, Fábio Roniel

Fonte: http://clube.cancaonova.com/materia.php?id=1378

3 comentários:

  1. "...Eu sou é desafinado mesmo!”. Só quem é curado têm a coragem de dizer e assumir o que é mesmo. Ele era desafinado mesmo, mas sabe um desafinado, que você quer estar junto, quer ouvi-lo mesmo sendo desafinado. Esse homem era o Padre Léo! Porque ele era afinado no coracão e o resto não importa pra quem o ama. Por isso quer estar junto. Ele era sinônimo de alegria onde estava. E todos queriam estar com ele! Que saudade Padre Léo? Rezo por você todos os dias, Mesmo que me chamem de maluco. Pois sou apaixonado pelos seus conselhos. Aquele que você usa o catecismo da igreja é o que mais me chama atenção. “... Em nosso coração o Diabo não entra, mesmo que eu queira não entra. Pois em nosso coração mora Deus e Eu.” Se você não acreditar nisso o burro, asno, dá risada de você! É bacana demais quando a gente entende isso! Eu entendi e agradeco o Padre Léo. Que considero o protetor de minha vida. Pois quem você ama não precisa adorar, mas quem você adora precisa amar.

    ResponderExcluir
  2. Padre Léo foi um anjo na minha vida e na minha familia

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!