terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Jesus monta o cenário para curar Pedro


Pedro tinha desistido de Jesus, mas Jesus não tinha desistido de Pedro. Talvez você também um dia já desistiu de Jesus.

Depois disso, tornou Jesus a manifestar-se aos seus discípulos junto ao lago de Tiberíades. Manifestou-se deste modo: estavam juntos Simão Pedro, Tomé (chamado Didimo), Natanael (que era de Caná da Galiléia), os filhos de Zebedeu e outros dois dos seus discípulos. Disse-lhes Simão Pedro: "Vou pescar". Responderam-lhe eles: "Também nós vamos contigo". Partiram e entraram na barca. Naquela noite, porém, nada apanharam. Chegada a manhã, Jesus estava na praia. Todavia os discípulos não o reconheceram. Perguntou-lhes Jesus: "Amigos, não tendes acaso alguma coisa para comer?" – "Não", responderam-lhe. Disse-lhes ele: "Lançai a rede ao lado direito da barca e achareis." Lançaram-na, e já não podiam arrastá-la por causa da grande quantidade de peixes. Então aquele discípulo que Jesus amava, disse a Pedro: "É o Senhor!" Quando Simão Pedro ouviu dizer que era o Senhor, cingiu-se com a túnica (porque estava nu) e lançou-se às águas. Os outros discípulos vieram na barca, arrastando a rede dos peixes (pois não estavam longe da terra, senão cerca de duzentos côvados). Ao saltarem em terra, viram umas brasas preparadas, um peixe em cima delas e pão. Disse-lhes Jesus: "Trazei aqui alguns dos peixes que agora apanhastes". Subiu Simão Pedro e puxou a rede para a terra, cheia de cento e cinquenta e três peixes bem grandes. Apesar de serem tantos, a rede não se rompeu. Disse-lhes Jesus: "Vinde, comei." Nenhum dos discípulos ousou perguntar-lhe: "Quem és tu?", pois bem sabiam que era o Senhor. Jesus aproximou-se, tomou o pão e lhos deu, e do mesmo modo o peixe. Era esta já a terceira vez que Jesus se manifestava aos seus discípulos, depois de ter ressuscitado. (João 21, 1 – 15)

Tendo eles comido, Jesus perguntou a Simão Pedro: "Simão, filho de João, amas-me mais do que estes?" Respondeu ele: @Sim, tu sabes que te amo." Disse-lhe Jesus: "Apascenta os meus cordeiros."

Nós acabamos de ler um dos mais belos textos do Novo Testamento. Se lermos o capítulo cinco de São Lucas e depois ler o 21 de São João, vamos perceber que é o mesmo contexto. Mesma barca, mesma praia, mesmo grupo de discípulos que foram pescar, que era a profissão deles. Tanto em Lucas como em João a pesca foi decepcionante, passaram a noite inteira lavando as redes, mas não pescaram nada. Em Lucas 5, é a primeira vez que Jesus se encontra com Pedro. Em João 21 é a última vez que Jesus se encontra com Pedro. Da primeira vez houve a pesca milagrosa igual a segunda. Só que a resposta de ambas é muito diferente. Na primeira vez Jesus disse a Pedro: "Doravante serás pescadores de homens". E Pedro largou tudo imediatamente, inclusive o pai. Abandonou a rede e seguiu Jesus. O final da primeira pesca milagrosa é maravilhoso! É uma resposta cheia de entusiasmo, cheia de alegria. Pedro lança-se no Senhor igual se lançava as redes. A segunda pesca é recheada de tristeza, de decepção. Entre a primeira e essa última, ao menos se passaram três longos anos de uma amizade linda, pois Pedro largou tudo para seguir Jesus. Mas também de situações difíceis, onde o Senhor chegou a chamar Pedro de Satanás. "Afasta-se de mim Satanás". E onde Pedro havia negado o Senhor três vezes.

 A resposta dessa segunda pesca não é tão entusiasmada como a da primeira. É uma resposta mais dolorida. Porque se da primeira vez Pedro largou tudo para seguir Jesus, agora Pedro larga Jesus e volta para a barca que ele tinha deixado. Esse "vou pescar" de Pedro é uma confissão de decepção. É voltar à vida antiga e perder tudo o que ele tinha experimentado. E com ele era papa, os outros discípulos disseram: "Nós vamos contigo". Significa que Pedro já era o líder, aonde ele ia os outros iam atrás. Um líder, se não se transforma em servo, leva as pessoas para o buraco. Significa que se você está sendo chamado a estar a frente de um grupo, de um ministério, o seu grupo vai para o lado que a sua decisão indicar. E do mesmo jeito que Pedro, quando Pedro largou as redes e seguiu Jesus, Tiago e João o seguiram nesta entrega. Agora é o contrário, é Pedro que toma a decisão: "Vou voltar". E os discípulos foram com ele. Por que será que essa resposta de Pedro é tão cheia de decepção? Tão machucada? Porque Pedro havia negado Jesus três vezes.

 Nem todo mundo consegue entender o que significa a negação de Pedro. No dia em que Pedro negou o Senhor, cometeu o maior pecado da face da Terra. Nem o pecado de Adão, nem o pecado de Judas, nenhum pecado cometido antes ou depois é maior que o pecado de Pedro. Por quê? Pedro era papa. E Jesus tinha dito a ele: "Aquilo que ligares na Terra será ligado no céu e o que desligares na Terra será desligado no céu". E os dons de Deus são irrevogáveis! Se Pedro tinha essa graça e também essa desgraça, se ele podia ligar e desligar, se ele tinha o poder das chaves, ao negar o Senhor, o que Pedro havia feito? Desligado da vida eterna o Cristo. Mas por que ele negou três vezes? Ele negou o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Absurdos dos absurdos! Ele mandou para o inferno a Santíssima Trindade. E Jesus foi. Nós rezamos no Credo: "Ele desceu à mansão dos mortos".

E qual é o contexto que Pedro cometeu esse pecado? Quando vieram prender Jesus, Pedro estava com ele no Monte. Veio Judas e um grande grupo de soldados. O que Pedro fez quando eles foram prender Jesus? Pegou a espada de um dos soldados e cortou a orelha dele. Jesus colou a orelha do soldado e foi preso. Meia hora depois, Pedro está na fogueira de São João. Quando aparece uma empregada, que não vale nada para os judeus até hoje, e perguntou para Pedro: "Você não é do grupo dele?" Pedro disse: "Eu não!" Passa um tempo, Pedro muda o lado da fogueira e vem um parente do decepado: "Eu estou achando que você é parente dele."  Ele disse: "Não, eu não. Você está enganado, nunca ouvi falar nele". E depois negou pela terceira vez. 

Como é que Pedro agiu daquela maneira no monte, quando os soldados estavam com a carta na mão? Ele poderia ser preso. E meia hora depois, diante de uma empregada, que não poderia nem acusá-lo, ele nega? Que incoerência é essa? Que causa levou Pedro a cometer esse pecado? Os quatro Evangelhos nos dão uma frase que explica tudo: "E Pedro o seguia de longe", ao falarem de quando Jesus foi preso.

 Esse é o segredo: quando perto de Jesus, Pedro foi capaz de enfrentar um batalhão. Longe de Jesus, Pedro cai. O que derruba a gente não são os problemas, é a nossa fraqueza. E somos fracos cada vez que nos afastamos do Senhor. Eu não posso ficar longe de Jesus nenhum minuto, por isso eu não condeno ninguém, pois sei o que sou capaz de fazer se ficar longe de Jesus. 

Quando eu converso com os meus filhos, e eles começam a contar a história da vida deles, eu chego a conclusão: "O menor problema que eles têm é a droga". No lugar deles eu faria coisa bem pior. Tinha uma menina que foi estuprada pelo pai aos sete anos de idade, que viveu sendo estuprada pelos dois irmãos mais velhos até seus quatorze anos de idade. Ficou grávida, tem um filho de três anos de idade e o pai de seu filho é o seu pai. Se fosse eu, matava. Aí aparece na imprensa: "Filho mata o pai". Por isso não podemos julgar. Não existem ações apenas, o que existem são reações. E cada vez que ficarmos longe do Senhor, vamos negá-lo. 

Não interessa se sou padre, leigo consagrado, coordenador de grupos. Se ficarmos longe de Jesus, só faremos bobagens. O pecado de Pedro foi grave demais! E ele tinha consciência disso. Chorou amargamente. Ele fez uma experiência pessoal de salvação e libertação. E ele vai atrás da resposta, vai tentar descobrir porque cometeu esse pecado. Como ele iria desempenhar a sua função de papa com aquele pecado? Imaginem a primeira vez que Pedro estivesse fazendo um discurso, chamando atenção de um grupo de pessoas que fizeram coisas erradas. Eles iriam olhar para ele e dizer: "Muito bonito! Logo quem! Fui eu quem negou o Senhor?". E, no entanto, com todos os erros que eles cometeram na história da Igreja, por que será que não há nenhum texto na Bíblia em que jogaram isso na cara de Pedro? Por que nem Pedro em suas cartas cita o episódio? Se quisessem pôr panos quentes, São João não iria escrever esse texto sessenta anos depois da ressurreição. Por que contam com detalhes?

Quando ouvimos um testemunho de uma pessoa que cometeu absurdos, mas que foi curada pelo Senhor, que fez a experiência do perdão, essa experiência se torna um estímulo. E ela ganha uma força para pregar. É a mesma experiência que Paulo vai fazer. Nunca tocaram nesse assunto com Pedro porque esse foi um assunto que o próprio Cristo veio resolver. O Cristo ressuscitado vai à praia celebrar uma missa. Mas Jesus não vai só celebrar uma missa: ele espera a hora certa. Ele poderia ter simplesmente perdoado Pedro quando encontrou os discípulos no cenáculo. Mas Jesus monta o cenário. A delicadeza de Jesus é excepcional! Ele sabia que Pedro iria voltar lá quando viu Pedro naquele desânimo. Pedro disse: "Vou pescar". E os outros também foram. E a noite inteira não pescaram nada. Mas até então eles nem pensaram na primeira pesca. Jesus aparece na praia e pergunta se tem alguma coisa para comer. Eles responderam: "Não tem nada. A pescaria hoje não valeu nada." Jesus disse: "Lado direito". Mas ele quis dizer para jogar direito a rede. Jogaram a rede e pescaram 153 baitas. Exagerado. Os milagres de Jesus têm sempre essa marca. Transformação de água em vinho: 720 litros. Multiplicação dos pães: 5 mil comendo e ainda sobraram 12 cestos. Nossa Senhora ficou fazendo farinha de rosca e pudim de pão uma semana! 

Quando São João falou: "É o Senhor", Pedro peladão... Por que São João disse que Pedro estava nu? Por causa de outra nudez que a Bíblia conta: Adão e Eva se esconderam de Deus porque estavam nus. Estar nu significa estar vivendo no pecado. Quando Jesus foi morto na Cruz, ele ficou nu. Aquele que não tinha pecado, Deus o fez pecado por nós. A nudez de Jesus na Cruz é a nudez que Pedro escondeu; a nudez que Adão e Eva não aceitaram. A nudez de Jesus na cruz é o passado e é o futuro. É o passado desde Adão e Eva. Todos os que ficaram nus pelo pecado desde Adão e Eva até toda a história da humanidade que ainda virá, todos ficaram e ficarão revestidos do homem novo por Jesus. Todos os textos que falam da ressurreição falam dessa veste. 

Paulo na Carta aos Efésios diz: "Despojai-vos do homem velho, revesti-vos do homem novo criado segundo Deus em verdadeira justiça e santidade". É essa veste nova! Pedro estava nu. E o que ele fez? Pôs roupa e pulou na água. É uma anta! Levou a roupa na mão! Quando Pedro colocou a roupa, Jesus o reconheceu pela inteligência. Seis homens não conseguiam puxar a rede com todos os peixes e Pedro puxou sozinho. Quando temos Jesus, enfrentamos qualquer problema, ganhamos uma força violenta. Sem Jesus, pode juntar quantas pessoas quiserem, mas não vão conseguir puxar a rede. É o mesmo esquema. Perto de Jesus, Pedro enfrentou um batalhão. Longe de Jesus, Pedro o nega três vezes. Agora, significa que Pedro já havia recobrado aquela força de antes. Jesus não ensina só a pescar. Jesus ensina você a arrastar a rede. A nossa obrigação é ficar perto de Jesus, só assim ficamos fortes para enfrentar qualquer problema. Perto de Jesus, Pedro ganhou a força da Igreja inteira.

Jesus estava fazendo comida para sete apóstolos, dos quais um o havia negado. Tem humildade maior? Essa é a marca registrada de Jesus. Ele já tinha feito serviço de escravo, lavando os pés. Mas isso ele já aprendeu com sua mãe, que quando estava grávida trabalhou de empregada doméstica por três meses na casa de Isabel. A única mulher no mundo que teve o rei na barriga trabalhou de empregada doméstica. Por isso Jesus montou a mesa. Comeram. Quando terminaram de comer, chegou a hora. Jesus tinha montado todo o cenário para realizar a cura interior de Pedro. Ele olhou para Pedro e perguntou: "Simão, tu me amas?". Essa pergunta doeu fundo no coração de Pedro. Porque aí veio à tona... Pedro se lembrou da barca, da primeira vez que encontrou Jesus, do primeiro encontro ali às margens daquele mar, da primeira pesca milagrosa. O cenário maravilhoso recordava tudo. Mas tem um detalhe que Jesus colocou e que só São João faz referência. Jesus tinha colocado naquele cenário um elemento que fez Pedro se lembrar do episódio mais terrível da sua vida, quando ele tinha negado Jesus. E como é que Jesus tocou nesse assunto sem meter o dedo na ferida? Essa foi uma delicadeza de Jesus para realizar a cura interior.

Às vezes ouvimos orações de cura que mais parecem sessões de tortura íntima da pessoa. Jesus põe um detalhe: ele é sutil, é delicado. Assim também é conosco. Precisamos abrir os olhos para perceber. A quarta característica do amor de Deus são os pequenos detalhes. "Detalhes tão pequenos de nós dois... São coisas muito grandes para esquecer".  Quando Jesus perguntou: “Tu me amas?”, Pedro se lembrou de tudo. Mas tinha um detalhe: a fogueira. São João disse que quando Pedro negou Jesus, ele estava em torno de uma fogueira. Jesus fez a fogueira. E aí diz: "O Senhor fez a fogueira". Quando Pedro bateu o olho naquela fogueira, ele lembrou e respondeu: "Sabes que eu te gosto". Mas Pedro havia negado Jesus três vezes. E a pomada passamos na ferida até que ela sare. Então ele precisava curar o seu coração nessa tríplice dimensão. E Jesus pergunta pela segunda vez: "Pedro, tu me amas?" Pedro responde: "Senhor, tu sabes que eu te gosto". E pela terceira vez. E aí, mais uma vez Jesus demonstra uma delicadeza que poucas vezes vamos encontrar em nossa vida de cristãos. Jesus se emociona com a sinceridade da resposta de Pedro. Não adianta nada dizer que ama Jesus só pela boca. Jesus diz: "Esse povo me louva pela boca, mas o coração está longe". E Jesus pergunta pela terceira vez, diminuindo o verbo, e desse ao mesmo nível de Pedro: "Pedro, tu gostas mesmo de mim?" Pedro responde: "Senhor, sabes tudo! Tu sabes que eu te gosto".  E Jesus diz: "Então apascenta as minhas ovelhas". E depois, no decorrer do Evangelho, Jesus diz: "Pedro, você ainda não me ama, mas vai me amar". Pedro tinha desistido de Jesus, mas Jesus não tinha desistido de Pedro. 

Talvez você também um dia já desistiu de Jesus. Você deu aquela resposta entusiasmada quando fez uma experiência de oração. Mas foi passando o tempo, foi ficando longe de Jesus, ficou sem rezar, sem ler a Bíblia, não participou mais do grupo. Foi ficando fraco! E na primeira fogueira... A fogueira significa tudo que é quente em nós, quando o sangue está quente na hora da raiva, quando o sangue esquenta na hora de uma carícia com a namorada. O fogo também simboliza o fogo que se usa para acender o cigarro de maconha, o fogo do álcool. O fogo é símbolo do pecado, do momento que nos descontrolamos. Quem de nós já não passou por isso? Jesus disse: "Quem não tem pecado que atire a primeira pedra".

Alguns exegetas afirmam que a causa de Pedro ter negado Jesus três vezes foi uma mágoa profunda de quando Jesus curou sua sogra.

O Ressuscitado é aquele que vem nos curar. Enquanto não tivermos esse encontro pessoal com Jesus Ressuscitado, nós continuaremos negando o Senhor. E cada vez que nós negamos o Senhor, negamos o Pai, o Filho e o Espírito Santo. 

Mas o Ressuscitado não é aquele que fica lá em cima. Jesus vem até nós com a veste que muitas vezes não vamos entender. A pedagogia de Jesus é sempre a mesma: ele chega sempre próximo a nós, ele fica do nosso tamanho. Foi igual quando ele se encontrou com Zaqueu. Zaqueu era um baixinho safado e ladrão. Mas embora fosse um homem muito rico, tinha uma profunda carência em seu coração. Ele queria ver Jesus. E quando ele fica sabendo que ele iria passar em Jericó, ele corre para ver Jesus. Mas ele não conseguiu ver Jesus porque ele era muito baixinho e porque a multidão impedia. A multidão simboliza os problemas que existem em nossa vida e que não dependem de nós: os problemas exteriores. O fato de ser baixinho simboliza os problemas pessoais. E, se queremos ser curados, precisamos mostrar os dois problemas para Jesus. E Zaqueu se lembrou de uma árvore, e foi correndo, olhando para o lado, para que ninguém visse, e subiu naquele galho de Sicômoro. Essa árvore existe até hoje em Jericó. Quando ele subiu na árvore, lembrou-se de sua infância, que se sentia inferior, pois os colegas sempre batiam nele, porque ele era menor. Ele não arrumava namorada, pois era muito baixinho e feio. Por isso até que ele resolveu roubar e ficar rico, porque só assim alguém iria olhar para ele. Ele se perdeu em seus pensamentos e nem notou que Jesus já estava chegando perto. Ninguém o via, mas ele via todo mundo. Jesus vem vindo, para em frente a árvore e olha para cima. E todos olham para cima também. E Jesus fala: "Zaqueu, desce daí, eu vou jantar hoje em sua casa". Zaqueu não desceu, caiu! Correu para casa e pediu para a dona Zaquéia fazer comida. Quando Jesus chegou, a família estava pronta. Comeram, mas Jesus não tocou no assunto dos pecados de Zaqueu. O povo fora ficou todo murmurando. Quem está de fora sempre fica murmurando. Zaqueu ficou impressionado, pois era a primeira vez que ele recebia uma visita que não tocou em assuntos delicados. Quando chegou a hora de Jesus ir embora, Zaqueu levantou e disse: "Senhor, se eu pequei, eu vou devolver até quatro vezes mais". E Jesus disse: "Hoje a salvação entrou em sua casa". 

Mas por que Jesus não falou isso quando ele estava em cima da árvore, para todos ouvirem? Para Zaqueu nunca pensar que ele tinha que ser mais do que os outros. E por que Jesus não falou quando Zaqueu caiu da árvore, na frente de todo mundo? Para Zaqueu nunca pensar que é inferior aos outros.

 Não devemos nos comparar com ninguém, pois se nos compararmos com alguém que é mais do que nós, vamos nos sentir inferiores. E se nos compararmos com alguém inferior, vamos nos sentir superiores. Devemos nos comparar apenas com Jesus Cristo, porque Ele teve a coragem de morrer por nós! Ele desce ao nosso nível. Ele fala a nossa língua. Ele não nos condena, da mesma forma que ele não condenou o passado de Maria Madalena, de Zaqueu, de Pedro. O Senhor cura! Mas para Ele curar é preciso que tenhamos a coragem de mostrar o nosso coração.

"Senhor, eu sou fraco, sou limitado, você conhece a minha história. Eu sou um pouco como Zaqueu, sempre tentei preencher os meus vazios, os meus complexos de inferioridade, pois eu vivo me comparando com as pessoas. E é por isso que eu já caí tantas vezes! Por isso que eu já o neguei diante de situações tão pequenas! Eu não consegui resistir. Mas hoje eu quero acolhê-lo na minha história." 

Jesus fica do mesmo tamanho do que nós, olha em nossos olhos e diz: "Vem para a vida". Até hoje você está vivendo na máscara, só se preocupa com o que as outras pessoas pensam ou falam de você. Você é único! A única coisa que precisamos ter é um encontro pessoal com o Ressuscitado. Talvez Jesus esteja aí na praia da sua vida preparando uma fogueira, e pergunta: "Jovem, tu me amas?".

Padre Léo

Fonte: Comunicação Bethânia
Obs: Transcrição fiel ao original de palestra realizada na Comunidade Canção Nova



5 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Esta Pregação é MARAVILHOSA!
    Não conheço ninguém que "traduziu" o significado
    dos Textos Bíblicos, como o Pe Léo!
    Além disso, para quem pôde "experimentar" a sua
    enorme espiritualidade,esta foto lindíssima, fala
    po si!!!

    ResponderExcluir
  3. Qual o nome desta pregação? Quero muito adquiri-la! :) obrigado

    ResponderExcluir
  4. Qual o nome desta pregação? Quero muito adquiri-la :) muito obrigado!

    ResponderExcluir
  5. Fabio, é a pregação "A Cura do Coração de Pedro". Clique no link abaixo e vc poderá comprá-la na Loja da Comunidade Bethânia e ainda vai ajudar a obra iniciada pelo Padre Léo.

    A Cura do Coração de Pedro

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!