domingo, 29 de agosto de 2010

Orando e aprofundando a cura interior

34ª Semana:

Dn 13,1ss:

Neste texto temos dois exemplos da importância da cura interior. Por um lado temos Suzana, mulher de grande beleza e muito piedosa. Por outro lado temos os dois anciãos, nomeados juízes do povo.

Suzana era temente a Deus e procurava viver na pureza de coração. Os dois juízes, apesar da importância do cargo e da idade avançada, cultivaram uma paixão errada pela jovem. É claro que sabemos que a idade avançada não significa nada. Quando trouxeram uma prostituta, pega em flagrante, diante da palavra de Jesus, o Evangelho nos conta que, começando pelos mais velhos, cada um foi se retirando e não apedrejou a pobre moça.

A palavra de Deus nos mostra que nem sempre a idade cura todas as inclinações erradas de nossa vida. O problema aqui é que os dois velhos juízes cultivaram a impureza no coração e não se abriram com ninguém (v.11).

A impureza cultivada gerou a falsidade (v.13) e por fim a artimanha pecaminosa (v.14). Estavam ainda maquinando o pecado quando a jovem chegou para se banhar. Na primeira oportunidade (o pecado está sempre nos rondando como um leão faminto), os dois velhos se precipitaram sobre ela (Davi também não conseguiu resistir ao banho de Betsabé).

Tentaram seduzir a jovem senhora, fazendo sérias ameaças. Afinal de contas, seria o testemunho de dois respeitados juízes contra uma pobre e indefesa mpça. Pela lógica ela só tinha a perder (v. 20-21). Mas, como seu coração era puro e sincero diante de Deus, ela não teve medo e recusou a indecente proposta: "Não! Prefiro cair, sem culpa alguma, em vossas mãos, do que pecar contra o Senhor".

Os gritos de Suzana foram ouvidos pelos empregados, mas acima de tudo foram ouvidos por Deus. Foi caluniada, injuriada, mas não se abateu nem mesmo diante dos poderosos, e entregou-se a uma profunda oração: "Enquanto ela, debulhada em lágrimas, mas com o coração cheio de confiança no Senhor, olhava para o céu" (v.35).

Esta é a verdadeira oração. Diante da condenação, não procurou justificativas humanas. Mais uma vez abriu seu coração em Deus: "Deus eterno, vós que penetrais os segredos, que conheceis os acontecimentos antes que aconteçam, sabeis que isto é um falso testemunho que levantaram contra mim. Vou morrer sem nada ter feito do que maldosamente inventaram contra mim" (v. 42).

Mas "Deus ouviu a sua oração" e se manifestou. A verdade sempre liberta. E o testemunho de Suzana acabou provocando um grande louvor em toda a assembléia, "que se pôs a clamar ruidosamente e a bendizer a Deus por salvar aqueles que nele põem sua esperança" (v. 60).


2 comentários:

  1. Deus sempre nos ouve e de todo o mal que nos acontece ele sempre tira um benefício maior.
    Mesmo diante de algo aparentemente destrutivo e sem chances de ser descoberto, Deus interfere e concede aos que são puros de coração o alívio e o escape necessário.
    Grande abraço e meu agradecimento pela reflexão.

    ResponderExcluir
  2. Conheço uma história, não sei quem são os personagems mas sei que eles existem. Existia uma moça muito trabalhadeira, trabalhava e as vezes chegava tarde em casa, pois se atrasava no serviço e acabava perdendo o ônibus. Um dia desses em que ela trabalhou muito e se atrasou, teve que voltar para casa a pé. Ela teria que passar por uma rua escura e no caminho avistou um homem estranho de aparência suja. Ela teria que passar por ali, então ela pediu a Deus que colocasse pelo menos dois anjos, um de cada lado dela, para protegê-lo naquele trajeto. E assim ela passou pelo caminho e o homem nada fez com ela. No outro dia ela ouvia no rádio a notícia de um homem que havia sido preso por estrupo naquele mesmo trajeto em que ela passou. Algo tomou seu coração. Não estava feliz pelo que ele fez, mas ela precisava confirmar se era o mesmo homem. Foi então até a delegacia dar seu testemunho e se desmanchou em lágrimas ao ver que o homem preso era o mesmo por quem ela passou. Ela não se conteve e precisava saber porque ele a poupou. O delegado indagou: "Ué e ela passou por você e você não fez nada com ela. Porquê? E ele respondeu: "Claro. Ela estava com dois homens fortões um de cada lado dela"! Deus sempre providencia tudo, só devemos confiar nele e pronto o resto com certeza nos é acrescentado. Ele sempre sabe o que faz. Um abraço e que Deus abençoe a todos. Aline(Montes Claros/MG)

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!