sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Santa Mônica, esposa e mãe!

Hoje, 27 de agosto, a Igreja celebra a memória de Santa Mônica, mãe de Santo Agostinho.

Mônica nasceu em Tagaste, na África, no ano de 332. Obediente aos pais, ainda muito jovem casou-se com Patrício; homem trabalhador, mas vítima de um gênio forte e, além disso, mulherengo, jogador e ateu. Tiveram três filhos: dois homens e uma mulher. Os dois menores foram a sua alegria, mas o mais velho Agostinho, foi o sofrimento dessa mulher.
Enquanto rezava por Agostinho, também rezava e oferecia sacrifícios por seu marido e ao final alcançou a graça de que Patrício fosse batizado. Um ano após o seu batismo, veio a falecer.
Quando ficou viúva, todos os cuidados dirigiram-se ao filho mais velho, o mais rebelde. Por ele rezou e chorou. Seguindo Agostinho, pelas peregrinações na Itália, Mônica encontra-se em Milão com o bispo Ambrósio, homem cheio de sabedoria foi guiando-a com seus conselhos.
E assim ela viu o que sua alma sempre desejou: a conversão ao cristianismo de seu filho Agostinho, propiciada pelas lágrimas de mãe.

Um dos trechos mais lindos do livro: ‘’Confissões’’ cap. IX é o diálogo entre Agostinho e sua mãe, quando ele escreve: ‘’ Nós falávamos de coisas de infinita doçura, esquecendo as coisas passadas e projetando-nos para as futuras...como seria a vida dos santos, vida que nem olhos viram, nem ouvidos ouviram e que nunca no coração do homem penetrou’’.
Continuando o diálogo Mônica diz: ‘’Meu filho, quanto a mim não existe nada que me atraia nesta vida...Uma única coisa me fazia desejar viver ainda um pouco: ver-te cristão antes de morrer. Deus me concedeu algo mais e melhor: ver-te desprezar as alegrias terrenas e só a ele servir. O que faço ainda aqui?

Poucos dias após, veio a falecer. Era o ano de 387, aos 55 anos.


CALAR PARA DEUS AGIR!


A sabedoria verdadeira não se aprende nos livro, mas é algo superior, vem do alto. É a sabedoria de Deus. Essa mulher usou a única arma que tinha para conseguir a paz na família: o silêncio. E nos dá a fórmula para não brigar: ‘’ É que quando meu marido está de mal humor, eu me esforço para estar de bom humor. Quando ele grita, eu me calo’’.
E muitas mulheres descobriram o segredo de Santa Mônica, para conter a agressividade dos maridos. Peçamos também a sua intercessão!
Uma linda declaração de amor esta em ‘’Confissões’’ de Santo Agostinho: ‘’ Ela me gerou seja na sua carne para que eu visse à luz do tempo, seja com o seu coração para que eu nascesse à luz da eternidade’’.
Hoje, junto com seu filho Santo Agostinho no céu, vivem as alegrias celestiais, que na terra, um dia sonharam.

Santa Mônica, rogai por nós!

2 comentários:

  1. Confesso também minha atitude: Para me entender e ser entendido! A forca maior é o siléncio. Nunca brigar, só carinho. E dizer sempre: Eu amo você... E deixar tudo nas mõas de Deus. Pois como seria a vida dos santos, vida que nem olhos viram, nem ouvidos ouviram e que nunca no coração do homem penetrou. Só Deus tem a resposta e nós vamos vivendo para um dia chegar a eternidade!

    ResponderExcluir
  2. Em São Luis-MA.Temos um grupo Santa Mõnica que é o terço das mães que oram pelos seus filhos.Rezamos o terço da misericórdia.Na Paróquia São Francisco de Assis.

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!