domingo, 5 de dezembro de 2010

Orando e aprofundando a cura interior

48ª Semana:

Gl 5, 16-25: 

A cura interior é um processo contínuo e constante. Não se reduz a um momento de oração apenas, trata-se de viver segundo Deus. Por isso Paulo nos convida: "Deixai-vos conduzir pelo Espírito, e não satisfareis aos apetites da carne".

Os desejos humano dominados pelo Inimigo são sempre contrários aos desejos do Espírito. Quando resistimos ao Espírito Santo, não fazemos o que desejamos em Deus e acabamos por produzir as obras do maligno: "fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes".

Pela cura interior e pela obediência a Deus e desobediência ao Inimigo, passamos a produzir em nós os frutos da acolhida: "caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não existe lei.

"Pois os que são de Jesus Cristo crucificaram a carne com as paixões e concupiscências. Se vivemos pelo Espírito, andemos também de acordo com o Espírito".


Um comentário:

  1. Já faz algum tempo que me tornei seguidor deste blog, devido ao amor e admiração pelo saudoso padre Léo.
    Hoje, poerém, quero deixar, aqui, um dos meus poemas e um convite para uma visita aos meus cantinhos.

    O SIM

    Que seria de mim, Maria,
    Que seria de mim, se não tivesses
    dito aquele Sim?

    Que seria de mim, se diante daquele Anjo,
    tivesses escolhido o casamento planejado,
    negado, assim, o projeto
    criado para ti, a favor de mim?

    Pobre de mim, se Gabriel entristecido,
    retornasse, cabisbaixo, coração ferido:
    "Senhor, não consegui"!

    Pobre de mim, se Ele não nascesse,
    Se Deus reafirmasse
    o Seu desistir!

    Ai demim, se Tu, Jesus,
    não viesses, dando-me a vida,
    como destes
    e, por mim, não sofresses, aqui.

    Seria minha aquela cruz,
    nunca veria a Tua Luz,
    Pois, jamais suportaria
    tanta dor, em mim.

    Teria as mãos cravejadas
    E, sob chicotadas,
    cuspiriam no meu rosto.

    Pobre de mim Senhor...

    (veja mais em http://eueocanto.blopgspot.com)
    Paz!

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!