Quantas vezes você se levanta?

Olá meus amados irmãos, que o amor e a misericórdia do Pai estejam com cada um de vocês!
Ontem eu estava conversando com meu filho do EJC e um amigo nosso sobre a vida, trabalho e como conciliar os estudos, é um pouco dessa conversa que vou partilhar com vocês hoje.

A vida não é fácil para ninguém, isso é um fato. Até o próprio Jesus já nos avisou em sua Palavra, que "no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo. Eu venci o mundo". A própria vida de Cristo nos mostra que desde o nosso nascer, ou até mesmo antes, nós teremos dificuldades a enfrentar.

Toda a vida de Jesus esteve marcada pelas dificuldades. E como nós podemos ter o mesmo êxito que Jesus teve? Uma coisa foi fundamental na vida de Cristo: a postura dele diante das dificuldades. Nós quando estamos passando por alguma dificuldade, muitas vezes ficamos lamuriando, reclamando, esperneando...

Jesus em sua infinita sabedoria frequentemente se retirava pra rezar. Saía da planície, subia a montanha do Senhor e para se encontrar com o Senhor. Se ele que foi humano precisava se encontrar com Deus imagine nós. E a Bíblia é enfática: Jesus precisava viver tudo o que nós vivemos. Era necessário que ele vivenciasse todo o nosso sofrimento, todas as nossas dores para que nos ensinasse com sua própria vida como vencer nossas aflições e sofrimentos.

Mas o fato mais importante que gostaria de chamar a atenção de vocês e é nesse ponto que uso para aplicar na minha vida é justamente o que o título nos questiona: Quantas vezes você se levanta?

Cristo caiu por três vezes com a cruz, e mesmo assim se levantou. Eu acredito que se ele caísse dez vezes, mesmo assim ele levantaria, pois era o amor dele que o impulsionava, ele sabia por quem estava sofrendo, ele sabia o "para quê" estava vivenciando isso. E nas missas ouvimos muito o padre dizer: "ele abraçou livremente a paixão", e nós será que abraçamos livremente pelo menos nossos sonhos? E a nossa cruz? É como diz uma frase que eu recebi que diz: "Não foram os pregos que pregaram Cristo na curz, foi o amor dele por VOCÊ!"

Eu acredito que a nossa vida deveria começar por aí. Outra vez vi no filme Rochy [o último dele], quando ele diz para o filho que não importa quantas vezes a vida irá derrubá-lo, o que importa é quantas vezes ele irá se levantar.

Quanto mais avançamos na vida, mais responsabilidades teremos, mais medos teremos, inseguranças, mais quedas poderão acontecer. Só que quanto mais isso aumentar, deveremos aumentar nossa prostração diante da cruz de Cristo, devemos aumentar nossa fé, devemos alimentar nosso coração e nossa alma atravás da minha oração, através da minha intimidade
com Deus.

Essa foto utilizada aí na postagem, foi muito bem pensada. Da mesma forma que o Cirineu ajuda a Cristo a carregar a sua cruz, da mesma forma assim é o Espírito Santo, ele foi o enviado de Cristo para nos ajudar na vida. Ele deveria ser nosso amigo íntimo. Infelizmente abrimos nossas vidas para os amigos e muitas vezes falsos amigos que na maior parte das vezes só precisam do que nós temos a oferecer, como o Pe Léo tantas vezes pregou sobre isso, e muito mal abrimos nosso coração para o Espírito Santo.

E uma irmã nossa, a Dri, aqui do blog partilhou em um comentário um pouco de suas lutas e seus sonhos nessa postagem: "Quem acredita sempre alcança", eu respondo a ela aqui também: Dri minha vida é muito semelhante a sua, e eu trago comigo uma "determinação infinita" em NUNCA DESISTIR dos meus sonhos, daquilo que meu coração quer.

Eu só deixo de lutar por algo quando sei que aquilo não me fará bem, ou quando meu coração já não deseja. Não importa quantos nãos eu já levei, não importa quantas vezes eu caí, não importa quantes vezes tentei andar e as minhas pernas não estão fortes ainda, o que importa é o meu desejo em querer levantar, em andar, é a minha determinação, é o meu comprometimento com meus sonhos, meus projetos, minhas metas.

Quanto mais a vida me dá motivos para desistir, para desanimar, mais eu mesmo tento me motivar, me apoiar, tem dias que realmente eu caio feio, noites escuras, crises existenciais, mas isso faz parte da vida, eu aprendi com o Pe Léo a saborear cada dificuldade, e transofrmá-las como ponte para uma situação melhor, para uma superação. É a minha "determinação" [eu adotei essa palavra como sobrenome] que me dá forças para sair do buraco onde muitas vezes a vida me joga.

É ela quem me faz alçar voo e procurar por trás das nuvens negras, a Luz que ilumina a nossa vida. Essa Luz foi levantada uma vez na cruz, e ela brilhará eternamente em nossas vidas e em nossos corações, portanto minha querida, portanto caros irmãos leitores do blog: Não desistam! Se a cruz tá difícil, chame o Espírito Santo para carregar a cruz junto com você.

Um abraço renovador a cada um de vocês! Procurem o Alto é lá onde nos encontraremos...
Jonathan Melo 03.02.2011
Compartilhe:

2 comentários:

  1. Obrigado por estas palavras, tudo nesse dia de hoje me inspira a clamar pelo Espírito Santo de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Sim Jonathan! Não importa o número de vezes que caímos, o importante É NÃO FICAR NO CHÃO. Já nos ensinava o padre Léo.
    Aqui você nos trouxe também a sua experiência de vida. É verdade, diante dos nossos fracassos, decepções, desilusões temos a tendência de nos desanimarmos, mas o Senhor, pelo poder de seu santo Espírito, vem ao nosso encontro.
    Ao final dessa reflexão você, POETICAMENTE, nos exorta a não desistirmos. Principalmente o jovem precisa lutar, determinar, a fim de alcançar os seus ideais, pois "a vida não tem pena de quem não luta" (pe. Léo).
    (meu filho precisa ver essa matéria)
    Fique na paz do Senhor!

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!

Arquivo do blog

Postagem em destaque

Gratidão: 10 anos do Blog Padre Léo Eterno!

Olá, queridos e amados irmãos em Cristo Jesus.  Começamos novembro celebrando uma década de blog. Há 10 anos, em 16 de novembro d...