sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Eternas são as lembranças boas!


Os acontecimentos negativos, a perda de um ente querido ou a perda de um animal de estimação, deixam marcas profundas, porém fazem parte da vida humana.
Padre Léo descreve a morte trágica do seu cachorrinho Trigueiro, em seu livro: “Segredos para a Cura Interior”, no capítulo: ”Sinais do amor de Deus”.

"O Trigueiro era meu amigo inseparável. Ele é minha mais linda recordação de infância". É fácil imaginar o trauma que sofre uma criança de apenas 04 anos de idade, quando perde alguém muito querido e companheiro. Mas o pessimismo estampado nesse episódio negativo logo se desfaz, quando o padre nos diz: "O fato de ter sofrido muito com a morte do Trigueiro não me impede, hoje ainda, de me recordar dele com carinho e ternura, até porque ele morreu para não ficar longe de mim".
O amor consiste em fazer de sua existência uma incessante oferta, dar a vida em favor do outro.

"Papai estava trabalhando com a Sucena. Eu brincava com o Trigueiro na cocheira, tratava dele como se fosse um bezerrinho. Amarrei-o pelo pescoço. Coisa de criança. Quando vi que papai estava indo para a casa do Padrinho Vico, saí correndo para alcançá-lo. Esqueci-me do Trigueiro. Mas ele não se esqueceu de mim. Pulou para me alcançar. Morreu enforcado na cocheira".

Mais tarde, buscando um sentido maior entendeu como um sinal do amor de Deus, compreendeu que o Senhor também estava ali e que de alguma forma contribuiu para o seu crescimento pessoal. "Seu enterro foi terrível e triste. Mas não apagou o bem que ele semeou em nossa vida". Padre Léo nos ensina que o importante é o que fica.
Ali ele viveu a sua primeira experiência de perda, pois o Senhor já o preparava para perder tudo nessa vida terrena para ganhar a Vida Eterna.

"O Trigueiro se foi, veio o Tizil, o Peri, o Lulu da Vó, o Duque, o Doly, o Banzé..."
Para superar a dor da perda precisamos enxergá-la com os olhos de Deus.
Foi-se a lembrança dolorosa da morte, para dar lugar somente às lembranças boas, àquelas que valeram a pena recordar.

Márcia A Bezerra

0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!