domingo, 22 de janeiro de 2012

E-mail ao Padre Léo 08

Artigos 
20/01/2012 
José Gentil,Bth - Consagrado e Escritor 


O relógio do meu computador marcam agora 03:35 da manhã e, o sono não vem. O calor nessa madrugada tá de “rachar” aqui em Italva o Recanto “Ternura”, e... Enquanto uma brisa suave e morna chacoalha para lá e para cá as cortinas de minha janela...


De: o mais gentil dos Josés 


Assunto:  nunca se compare com ninguém  


Para: padreleo@ceuhotmail.com  


Puxa!... Pai querido... O relógio do meu computador marcam agora 03:35 da manhã e, o sono não vem. O calor nessa madrugada tá de “rachar” aqui em Italva o recanto “ternura”, e... 


Enquanto uma brisa suave e morna chacoalha para lá e para cá as cortinas de minha janela, escuto ao longe o cantar de todos os galos do mundo anunciando o breve amanhecer. Bem, e já que perdi o sono, estou recordando aqui daquele dia em que subi até o seu quarto para conversar (foi no final do retiro segredos para a cura interior), eu estava trabalhando na padaria, e como o senhor sempre fazia no almoço do domingo e final de retiro, passava pela padaria e pela cozinha para agradecer a equipe de apoio. 


Pois bem, quando o senhor chegou à padaria eu aproveitei para lhe fazer o seguinte pedido; “pai, eu posso ir conversar com o senhor logo mais à noite”? Tal foi a minha surpresa, quando o senhor estatelou aqueles olhões azuis para mim e disse assim, na lata - “não atendo ninguém à noite, meu filho” - para depois completar ternamente - “Mas se você quiser ir agora?”... E eu fui. 


Sentados frente a frente, como o senhor gostava que fosse uma conversa, levantei meus olhos perplexos e medrosos para o senhor e exclamei: “to com medo, pai!”. “Medo”?... Perguntou-me inclinando-se um pouco para frente, para depois concluir...


Medo de que, meu filho?" ... “Medo de não corresponder à minha Consagração”... Completei ainda com os olhos no senhor, para depois desviá-los para o chão. Lembro que se fez um pequeno silêncio quebrado apenas pela respiração ofegante do Quinzinho que tranquilamente dormitava embaixo da escrivaninha, e pelo semblante, percebi que o senhor já tinha entendido tudo, mesmo que eu não falasse abertamente. 


É que por aqueles dias, eu vinha remoendo muitas dúvidas no meu coração... Sabe pai, e isso estava me sufocando, “será que serei um bom Consagrado”?... Perguntava-me constantemente, “será que darei conta das missões que a Comunidade me confiar”?... E como se não bastasse, naquela época eu me comparava muito, estava na verdade sofrendo de um tremendo complexo de inferioridade. 


Achava-me incapaz de responder ao novo de Deus, como os outros Consagrados. “E... Que tipo de Consagrado você espera ser?”... O senhor indagou-me de repente quebrando aquele pequeno silêncio. E pego assim, de chofre, eu não tive muito tempo para raciocinar, e sem ajuizar muito respondi: “espero ser um Consagrado coerente assim como o senhor, com a fortaleza da Margarida, com a perseverança do Ideraldo”... “Meu filho não faça isso!”... 


O senhor me interrompeu quase gritando e eu me assustei, sabe pai?... Porque pouquíssimas vezes eu o tinha visto assim, e... Não obstante o meu susto, o senhor não aliviou a barra, e com a mesma entonação severa completou: “nunca se compare com ninguém, meu filho, porque a comparação é sempre injusta e... quem se compara, já perdeu o jogo!”. Ah! Pai querido, recordo que eu não sabia onde por a cara, e tudo o que eu precisava naquele momento era de um buraco para me enfiar, mas o senhor percebeu e voltou agora com sua voz meiga e paterna: 


Você é capaz de adivinhar o que tem no meu bolso”? “Não”... Respondi depois de uma pequena pausa. “E nem quer tentar”?... Insistiu, mas meneei a cabeça negativamente. Nesse ponto o senhor levantou-se e foi até a varanda, me chamando em seguida. “Olhe para aquela pequena palmeira!” Exclamou apontando com o indicador. 


Pois bem, ela tem apenas alguns centímetros e... Algumas folhas, com toda certeza nem daqui a dez anos ela conseguirá ser como aquele robusto eucalipto, por mais que ela tentasse não iria conseguir. E nem precisaria ser, porque já temos eucaliptos demais nesse mundo. Todavia, o que aquela palmeira precisa fazer é crescer, e ser uma frondosa árvore capaz de embelezar o mundo, mas... Como palmeira. Eu sei meu filho, que está chegando à época de sua Consagração, e você talvez esteja com medo de não corresponder aos anseios da Comunidade... Acertei?”... 


E em função do meu silêncio o senhor ajuntou. “Pois eu lhe digo para nunca ter medo de fracassar, ou de errar, ou de avançar, nem tampouco de se enganar, e também não precisava ter medo de não adivinhar o que estava escondido no meu bolso... Até porque não tinha nada aqui, e você não perderia nada se tivesse tentado”. 


Uma suave brisa de fim de tarde trazia até nós o gargalhar de alguns visitantes inebriados pela beleza do recanto, enquanto o senhor finalizava a nossa conversa: “com toda certeza, você nunca será um Consagrado como o Léo, ou a Margarida, ou o Ideraldo, e também nunca será igual a ninguém. 


Mas você tem a possibilidade de ser o melhor Consagrado que Bethânia jamais teve, de desenvolver as maiores e as mais belas missões que lhe confiarem, mas do seu jeito, do jeito José Gentil de ser, com suas demoras... 


Luzes e sombras, pecados e virtudes. Como você pode ver meu filho, não há nada a temer, nem a perder... O que existe é apenas um longo caminho de aprendizado a ser percorrido.


Ah! Pai querido, obrigado por essa certeza absoluta, aquela conversa me ajudou a ser uma pessoa melhor e... Sem comparações. Tchau pai querido e até a próxima quinta.


jpiresbethania@hotmail.com
Fonte: http://www.bethania.com.br/artigos/e-mail-ao-padre-leo-08

6 comentários:

  1. Duas coisas me chamou muito a atenção:

    NUNCA SE COMPARE COM NINGÚEM!!!
    Pe Léo é o cara...

    E a outra que tocou profundamente meu coração:

    “Pois eu lhe digo para NUNCA TER MEDO DE FRACASSAR OU DE ERRAR OU DE AVANÇAR NEM TAMPOUCO DE SE ENGANAR... e também não precisava ter medo de não adivinhar o que estava escondido no meu bolso... Até porque não tinha nada aqui, e você não perderia nada se tivesse tentado”.

    SIMPLESMENTE PERFEITO!!! José Gentil muito obrigado por essas partilhas!!!
    Abraço fraterno...
    Jonathan Melo

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito da reflexão do senhor José Gentil, acho que todas as pessoas que tiveram a graça de conhecer o Padre Léo deveriam partilhar dessa experiência com todos nós. Muito obrigado ao senhor José Gentil por essa iniciativa.
    Izabel Antunes.
    Caçapava -SP

    ResponderExcluir
  3. Olá José Gentil!

    Padre Léo nos ensinou que não devemos nos comparar com ninguém, porque cada um é único, perante Deus somos únicos, e Deus nos trata de maneira pessoal.

    Nos ensinou também que não devemos ter medo do fracasso, não ter medo das quedas, pois o importante é não permanecer no chão, é levantar, lutar e caminhar sempre.

    O padre usou de sabedoria e discernimento para abrandar seu coração e conseguiu. Hoje você é um
    consagrado de Bethânia.
    Eu creio que aquela conversa o ajudou a ser uma pessoa "melhor para o outro e não melhor do que o outro".

    Obrigada por nos trazer mais esses ensinamentos!
    Deus o abençoe!

    ResponderExcluir
  4. Lindo seu texto José Gentil, me emocionei.
    Você está morando em que fazenda de Betânia?
    Clarice L da Rosa.
    Bauru-SP

    ResponderExcluir
  5. Oi José Gentil!

    Sempre curto os e-mails ao Padre Leo. Parece que ele está aqui do nosso ladinho. Bom, de certa maneira ele está, né?

    Mas, me perdoe a minha ignorância. O que é ser Consagrado? Vejo sempre esse termo aqui no blog e na canção nova, mas eu não sei o que é. Seria muito abuso meu fazer essa pergunta?

    Desculpe qq coisa!
    Beijo no coração!
    Ana Lydia
    alymoutinho@gmail.com

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!