segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

E-mail ao Padre Léo 07


O texto abaixo foi publicado originalmente hoje, 02.01.2012, no site da Comunidade Bethânia.

"Nós não somos daqui, meu filho, estamos aqui de passagem. Eu e você somos cidadãos do céu, o HIV na sua vida foi um acidente de percurso..."

De: o mais gentil dos Josés

Assunto: a cura do medo à beira da lagoa...

Para: padreleo@ceuhotmail.com

Puxa!... Pai querido,

Parece que foi ontem, mas já faz cinco anos que o senhor partiu para a eternidade, né?... E... Lembro como se fosse hoje, sabe pai?... Que naquele 04 de janeiro de 2007 eu estava morando no recanto de Curitiba. Estava eu e os Consagrados sentados em volta da mesa e rezando (isso porque horas antes, o Ideraldo tinha ligado e pedido para intensificar as orações porque o senhor tinha piorado), Quando... O celular tocou. Entreolhamos-nos uns para os outros até que um Consagrado atendeu. Ah! Pai querido, os segundos seguintes demoraram a passar. Então o telefone foi colocado no viva voz e escutamos o Ideraldo com a voz embargada nos dizendo entre um soluço e outro “o Léo partiu, meninos... O Léo nos deixou...”...

Abraçamos-nos ali, choramos... Choramos... Depois, assim... Espontaneamente começamos cada um lembrar-se de cada momento que tínhamos passado contigo, cada acontecimento, missas, formações... Partilhas, confissões... Piadas... Lembro que depois daquele momento de partilha eu saí, e fui sentar-me embaixo de uma grande araucária à beira da lagoa e fiquei ali... Horas a fio, olhando para os gansos deslizar na água. De repente... Sabe pai... Deixei-me levar por uma suave brisa que me deslocou até àquela manhã:

É... Naquela manhã o senhor estava andando em volta da lagoa de São João Batista com as mãos para trás seguido (como sempre) pelo quinzinho, pelo chuvisco e companhia. Então eu lhe alcancei, e ainda ofegante falei: “pai... Preciso falar com o senhor” e acrescentei timidamente “o senhor tem um tempinho para Mim?”.

Recordo que o senhor deu uma paradinha estratégica, e estatelando seus olhões azuis nos meus disse ternamente: “o meu tempo é todo seu... Meu filho”.Começamos então a andar. Eu estava muito mal naquela manhã... Lembra?... Por ser soropositivo, eu estava com a imunidade muito baixa (adoecendo muito), e como se não bastasse sofria com uma infecção urinária que não queria sarar. Com princípio de depressão, e sem ver muita coisa no fim do túnel eu lhe alcancei naquela manhã e a certa altura da nossa conversa eu disse: “não tem jeito, pai. Eu tenho pedido muito a Deus pela cura do HIV... Mas... Ela não vem”...

Ah! Pai querido, minha voz embargou de tal maneira que não pude continuar, então andamos mais um pouco em silencio, e então emparelhando comigo o senhor chocou levemente o seu ombro no meu, assim... Brincando mesmo para me animar e disse: “pare meu filho! Pare de pedir a cura do seu HIV”. Eu não entendi nada naquele momento e por isso exclamei: “Mas pai... A cura do HIV é tudo o que eu preciso!”... Lembro que naquele momento o senhor parou, olhou bem no fundo dos meus olhos e disse de um jeito até um pouco ríspido, “meu filho, você não precisa da cura do HIV, o que você precisa é da cura do seu coração”.Um!... Continuei sem entender.

Mas, agora passando o seu braço sobre os meus ombros, o senhor continuou. “Nós não somos daqui, meu filho, estamos aqui de passagem. Eu e você somos cidadãos do céu, o HIV na sua vida foi um acidente de percurso... Mas você não é isso e muito menos se resume nisso”... Ah! Pai querido, o senhor não tem noção de como aquelas palavras iam me reconfortando, e era por isso que mesmo que eu as limpasse... Obstinadas, as lágrimas teimavam em querer rolar... Enquanto o senhor continuava: “portanto, filho, tire os seus olhos do HIV...

Eu convido você a viver, e viver plenamente. Siga tudo o que o médico lhe mandar fazer, tudo... Tudo... Tudo, e... Faça esporte, sonhe... Estabeleça metas para sua vida, se arrume, fique bonito... Sobretudo, quando você for comungar não peça que Jesus cure o HIV, mas que Jesus cure o seu coração, peça que Jesus cure os seus medos, os seus traumas”...

Nesse ponto, o senhor parou uma vez mais, e agora sim... Os seus olhos de pai fixaram-se demoradamente nos meus, porque era preciso alcançar o meu coração, para finalizar:...“porque se você tiver o seu coração curado, meu filho, o que será desse HIV Zinho que você tem aí? O que será dessa aidizinha?... Nada, nada, nada... Repito, o HIV é apenas um acidente de percurso, mais Jesus é tudo na sua vida”.

Pois é!... Faz mais ou menos sete anos que tivemos essa conversa na beira da lagoa, e não precisa nem dizer os frutos que ela produziu. Né, pai?... Não tenho dúvidas nenhuma, que só pude ser o que sou hoje, Consagrado de Deus, pai do Patrick e pai em Bethânia, Celibatário, escritor, e o homem mais feliz de toda a terra, porque um dia, os seus olhões azuis tão acostumados com as multidões atreveram-se a pousar nos meus olhos assustados na beira da lagoa, para ajudar a curar o meu coração. E é por isso e por tantas outras, que o senhor está aí já a cinco anos, pertinho de Jesus, sabia?...

Te amo, pai querido...

jpiresbethania@hotmail.com


José Gentil Pires é consagrado da Comunidade Bethânia e escritor,
autor de "O Anjo do Celeiro".

3 comentários:

  1. Parabéns José, não pelas suas palavras, mas pela cura de seu coração. Seu texto deixa claro que a cura da doença de sua alma diminuiu a intensidade da doença de seu corpo. Seu depoimento é encantador e comovente. Deus está sempre conosco.

    ResponderExcluir
  2. José Gentil. Parabens,. Deus sempre te abençõe. Voce hoje me fez chorar ao ler o seu e-mail. Queria muito ter podido receber um abraço deste anjo, mas não pude. Até hoje eu não consigo ver e ouvir a palestra Buscai as coisas do alto, sem chorar. Amo Pe. Leo, ele tem me ajudado muito com seus livros e palestras. Tem me guiado muito pois creio que ele é um grande intercessor junto de Maria e de toda Milicia Celeste. Um dia se Deus quizer irei conhecer Bethania. Lugar Santo, aonde um Santo Deixou seu rastro de Amor...
    - Deus te abençõe.

    ResponderExcluir
  3. Que linda história! Me fez ver o quanto somos muito mais do que todos esses sofrimentos dessa vida. Em Jesus somos mais que vencedores. Esse mundo não é nossa casa, apenas nossa embarcação. Um abraço!

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!