segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

O amor próprio - Parte I

Olá meus irmãos, que o amor de Deus nosso Pai esteja com cada um de vocês!

Meus queridos irmãos e irmãs, outro dia aqui fiz uma pequena reflexão sobre como nós não conseguimos amar com os nossos corações feridos e machucados. Hoje gostaria de refletir outro aspecto que é consequência das dores que ao longo da vida nós vamos sofrendo. 

O triste da vida é quando somos condicionados pelas dores sofridas. E talvez pior do que isso é quando achamos que superamos tal acontecimento, tal dor, tal ferida, mas muitas vezes nós não curamos, nós apenas 'ocultamos' do nosso consciente.

Isso cria uma ilusão dentro de nós de segurança, de força, quando na verdade as feridas, dores, machucados estão gritando lá dentro de nosso inconsciente, estão influenciando nossos comportamentos, atitudes, decisões e nós não sabemos. 

Quando as coisas não dão certo, ficamos nos perguntamos o que fizemos de errado dessa vez, qual foi o nosso erro, porque somos tão sem sorte ou muitas vezes sempre achamos que são os outros que nos fizeram mal, eles é que erraram. Perguntamos até porque não conseguimos escolher o melhor caminho quando claramente temos essa escolha e acabamos por escolher o errado novamente.

A resposta para isso muitas vezes está naquilo que vivemos. Certas coisas ficaram tão marcado em nós, que a dor é tão intensa que as defesas emocionais entram em ação para aliviar a dor. Enviam tudo para o inconsciente e cria a ilusão de que o mal foi superado. Mas mesmo lá no inconsciente ele continua a influenciar a nossa vida.

Então decidimos recomeçar. Traçamos novos planos, novas metas, sonhamos novamente, mas mantemos aquela área que nos machucou sob 'controle'. Até que num belo dia acordamos com um vazio imenso, procuramos o motivo e não achamos. 

É uma angústia que inunda nosso coração, nos falta ar, nos sentimos pesados, abatidos... sem forças... e nos damos conta que todo esse mal estar é devido a 'aquela' área que nós achávamos que havíamos superado, isso quando não são "as áreas".

Nos perguntamos porque estamos tão angustiados, se teoricamente havíamos superado. Questionamos a Deus porque isso continua a nos fazer mal, quando até já rezamos muitas e muitas vezes sobre aquela área. 

Esse tema continuará sendo refletido nas próximas postagens... Aguardem...
Abraço fraterno...
Jonathan Melo

Um comentário:

  1. Estou ccom muita mágoa do meu ex marido e quero tirar isso do meu coração.

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!