segunda-feira, 21 de julho de 2014

Tenda "Mineira"

O Brasil ficou menos romântico. Faleceu neste sábado, dia 19 de julho, aos 80 anos, o educador, psicanalista, teólogo, filósofo, escritor e poeta: Rubem Alves. Seus livros e artigos abordam temas religiosos, educacionais e existenciais, além de uma série de livros infantis.

Uma das vezes em que o nosso saudoso padre Léo deixou transparecer a sua alegria, o seu contentamento, pelo brilho de seus olhos, foi no dia 13 de junho de 2005, quando o recebeu no programa: “Tenda do Senhor”. A sua participação foi de muita riqueza para todos nós.

Trago aqui alguns trechos: "Não vou perguntar qual é a boa de hoje, porque tenho uma espetacular. É um especialista em fogão de lenha... Com 71 anos continua um menino, tão menino que até o nome é singular: 
Rubem Alves vem pra cá!". 
Assim padre Léo iniciou a sua entrevista: "Quanta honra em
recebê-lo!"

A importância de sua obra literária:
"Muitos de seus textos são usados para o meu Ministério de Cura Interior e para ajudar os meus filhos (as) em Bethânia", diz padre Léo.
Rubem Alves nos fala de seu livro: “Se eu pudesse viver minha vida novamente”. Esta obra desperta o leitor a valorizar a vida e aproveitar cada momento de modo especial. Os fracassos, ponto de partida.
“Quando fiz 70 anos escrevi este livro. Viveria a minha vida exatamente como vivi, inclusive com os erros. Os meus erros contribuíram para que eu chegasse até aqui”. 

Se quisermos experimentar a grandeza dessa vida temos que trabalhar, não pelas coisas transitórias, mas pelas coisas perenes. Então conseguiremos enxergar o tempo futuro, não o tempo que passou: “Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa”. 
E completa esse pensamento, respondendo ao padre Léo:
“Quantos anos eu tenho pela frente, não tenho a menor idéia. Sei lá, mais três, mais dez anos, não sei. Quando a gente chega nesta idade, tomamos consciência da passagem mais rápida do tempo. A gente aprende que não temos tempo para pensar em besteiras. A gente começa a selecionar as coisas que são realmente importantes. É sabedoria! Saber quais as coisas essenciais, para viver intensamente o tempo que me resta”. 

No término da entrevista: "Você disse: se não tiver um ponto final a vida seria triste demais... Este nosso bate papo também tem que ter um ponto final... Tomara que a gente se encontre aqui ou em qualquer outra Tenda". Padre Léo e Rubem Alves já estão com o Senhor.
Hoje, o nosso conhecimento é imperfeito, incompleto, através das criaturas que Deus colocou neste mundo. Mas na vida futura conheceremos com visão plena, porque veremos Deus face a face.
Que possamos nos encontrar, todos, na eterna bem aventurança!

“Aquilo que está escrito no coração não necessita de agendas porque a gente não esquece. O que a memória ama, fica eterno”. (Rubem Alves)

Um comentário:

  1. No livro que lançou logo após a morte de Padre Léo, Rubem Alves dedicou a ele uma de suas crôncias:

    "PADRE LÉO
    Ele partiu para o mundo dos mistérios de onde ninguém voltou para contar como é.
    Fiquei triste.
    Conheci o padre Léo acidentalmente.
    Fui convidado para participar de um programa de televisão em São Paulo.
    Aceitei sem investigar o assunto.
    Aí descobri que se tratava de um programa católico ligado à Renovação Carismática.
    Protestante incrédulo, refuguei mas cumpri a palavra.
    Pois foi uma surpresa.
    Logo nos afinamos e passamos a jogar frescobol.
    Ele dizia coisas na tv que fariam o papa ruborizar-se.
    Pensei que ele logo seria forçado a um silêncio obsequioso, como aquele que o Sumo Pontífice aplicou ao Leonardo Boff e à Ivone Bebara.
    Contou para as milhares de pessoas que o assistiam, que ele havia organizado uma reunião de dois mil casais para celebrar o Dia dos Namorados, num campo de futebol.
    Lá estavam eles, os dois mil, jovens e velhinhos.
    "Agora, para celebrar o Dia dos Namorados, é preciso beijar!
    Todo mundo beijando...¨
    Mas os casais, instruídos sobre o perigo da lascívia, deram aqueles beijinhos de encostar boca chamados de ¨selinho ¨.
    O padre Léo protestou:¨Vocês nunca leram a BÍBLIA? Está lá, no livro dos Cânticos: ¨Há mel debaixo da tua língua¨.
    Então, para obedecer às Sagradas Escrituras, vamos todos enfiar a língua debaixo da língua do outro para sentir o gosto bom do mel...¨
    Ele era assim.
    Nunca recebi tantos e-mails por um programa.
    Espero que no céu os salvos leiam o livro do Cântico dos Cânticos..."
    (‪RubemAlves‬)

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!