quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Como partilhar o nosso coração

“... para que a grandeza das revelações não me levasse ao orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás para me esbofetear e me livrar do perigo da vaidade. Três vezes roguei ao Senhor que o apartasse de mim. Mas ele me disse: Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força. Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo”. (2 Cor 12,4-10).

Olá meus queridos e amados irmãos em Cristo Jesus, que a paz de Deus abunde o coração de cada um de vocês! Há dias em que nossas fraquezas gritam, clamam por atenção. Há dias em que estamos muito bem e de uma hora para outra nos bate um desânimo, uma tristeza e não sabemos como agir. 

Quando a fraqueza bate a porta do nosso coração, ele grita por amor. Quando os nossos limites assumem o controle de nossas vidas nos sentimos fracassados, impotentes. Quando os nossos limites nos mostram nossas fragilidades, nossa pequenez diante da vida, nós temos uma escolha: gloriar-se de nossas fraquezas, para que habite em nós a força de Cristo.


Como somos muito 'antas', como já nos chamava o nosso querido Padre Léo, quando estamos em nossas fraquezas nós tendemos a piorar as coisas. Como não sabemos como pedir ajuda, como expressar o que sentimos, nós acabamos machucando as pessoas. Algumas vezes até sabemos como pedir ajuda, mas nosso orgulho nos trava, nosso ego nos trai.

Queríamos pedir um abraço, um carinho, um pouco de atenção, talvez até uma companhia silenciosa que apenas dissesse assim: eu estou aqui do seu lado. Mas ao invés de pedirmos isso, nós agimos imaturamente, jogando sobre o outro as nossas fraquezas, muitas vezes até de forma que machuca o coração do outro.

Uma coisa é sentarmos e abrir, rasgar o nosso coração para alguém que nos ame, nos entenda e nos acolha. Outra coisa é sair agindo com joguinhos, com chantagem, com infantilidades, dessa forma ninguém cresce e, por vezes, machuca o outro. 

Nesses momentos de fragilidades nós poderemos ter duas atitudes:

1. Gloriar-se de nossas fraquezas:
Em nenhum momento São Paulo nos diz que precisamos amar nossas fraquezas, dores ou sofrimentos. Gloriar-se de nossas fraquezas é vivê-las em Deus. Como o Padre Léo já nos disse: "Precisamos saborear nossas dores e sofrimentos. Precisamos vivenciar nossas emoções da forma correta, ou seja, vivenciá-las em Deus e com Deus".

Precisamos abrir a porta do nosso coração e deixar que Jesus possa entrar nele, ter total acesso, dar todo o nosso coração a Ele sem reservas. Precisamos entregá-lo todas as nossas fraquezas, limitações, dúvidas, medos, inseguranças, nossas falsas seguranças. 

A força de Jesus só poderá se manifestar em nossas vidas quando damos esse acesso total a Ele e permitimos que Ele possa lavar as dores do nosso coração ferido e machucado, para que a partir disso Ele possa curar e amar. Só através da cura interior é que podemos ser homens e mulheres novos, restaurados a imagem de Deus! Cheios da força do amor Dele.


"A cura interior é um dom do coração de Jesus." Padre Léo, scj

2. Um diálogo sincero com alguma pessoa que amamos:
Deus se faz humano através das pessoas que amamos e que nos amam. Um diálogo sincero, franco, claro, sem joguinhos, sem imaturidades opera verdadeiros milagres e trazem muita cura e amor aos nossos corações.

Infelizmente perdemos muito tempo com infantilidades ou com a linguagem errada. Muitas vezes não é que queiramos perder tempo dessa forma, mas sim porque não aprendemos a expressar nossas emoções e  sentimentos. Há também assuntos muito delicados de nossa história onde as palavras nos faltam, assuntos que ainda doem, machucam, ferem, por isso não sabemos como partilhar.

Nessas horas precisamos deixar o nosso coração falar. Se ele quer desabafar basta dizer: "preciso falar, me escute por favor". "Tenho coisas difíceis a falar, coisas que me doem, me machucam, então peço um pouco de calma... me ouça com o coração por favor". Frases tão simples, mas que fazem uma diferença gigante em nossos dias. 

Acima de nossas fraquezas e limitações, acima de nossas dores e sofrimentos, que nós possamos ter essa certeza no coração: "
Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força." 2, Coríntios, 12, 9.

Com carinho...
Jonathan Melo

Um comentário:

  1. Que perfeição! Quanta verdade e sensibilidade contidas nessas palavras! Até parecem um espelho de nós mesmos. O bom é que ao nos vermos refletidos nelas, ganhamos a capacidade de mudar, e a coragem de nos abrir, desmascarar, enfrentar e vencer nossas fraquezas. Pois como, tão bem já sabemos, Paulo assim nos ensinou, é na fraqueza que somos fortes. Às vezes esquecemos isso, mas Deus, infinitamente bondoso e cheio de amor, sempre nos faz lembrar. Envia-nos anjos em forma humana e sem asas, para serem canais do seu amor, e com os quais podemos partilhar sem medo o nosso coração, nossos mendos e incertezas. Ao fazermos isso, a cura interior começa a entrar em nosso coração, pela porta da frente. Louvo a Deus hoje e sempre, por todas as graças derramadas e dispensadas a nós todos os dia de nossa vida. Amém!

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!