quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Onde está o teu irmão?

Escolha tipo e tamanho da fonte do texto:



"E disse o Senhor a Caim: Onde está Abel, teu irmão? E ele disse: Não sei; sou eu guardador do meu irmão?" Gênesis 4, 9

Olá meus queridos e amados irmãos! Hoje gostaria de iniciar com essa pergunta: Acaso sou eu o guarda do meu irmão? E por que não: meus irmãos? Que Deus nos dê a graça de poder acolher e amar o nosso irmão.

Há um bom tempo essa pergunta se faz presente nos meus dias. Vivemos um tempo onde reina a hipocrisia, o ressentimento, a indiferença, o egoísmo. Egoísmo, talvez esse seja um mal muito presente no meio de nós, mas muitos não o percebem porque ele é muito silencioso.

Padre Zezinho, scj uma vez nos disse: "Onde há EU demais, há DEUS de menos." Hoje o Senhor me pergunta: "Jonathan onde está o teu irmão?" Quando olho para Jesus e abraço o seu amor, abraço também o seu chamado. Um chamado muito simples: amar, acolher e perdoar.

Olhar para o ministério de Jesus é ver que Ele amava, sobretudo os 'piores', os rejeitados pela sociedade. Os encontros mais lindos que Ele teve foram com os maiores pecadores. Então quando me digo cristão, eu preciso abraçar essa mesma vocação. Amar aqueles que são rejeitados, são excluídos, são tratados com indiferença, com preconceito.

O ministério de Jesus me remete ao Padre Léo e a Comunidade Bethânia. Ela, por excelência, é uma comunidade de acolhimento. Acolhe a cada um como ao próprio Cristo. Padre Léo muitas vezes no meio da madrugada saía com seu carro para ir buscar 'os seus irmãos' no mundo da drogadição.

Quando Deus perguntava para ele: "Léo onde está o teu irmão?" Ele se levantava prontamente e respondia com sua vida, com seu amor, acolhendo a cada um deles nas madrugas da vida. Lembro até de uma vez em que ele falou que colocou uma prostituta para dormir em sua cama.

Infelizmente estamos longe de amar e de acolher o nosso próximo, pois primeiro vem o "Eu", e depois vem "Deus" em nossas vidas. Abraço o amor de Deus, mas não abraço o chamado dele para a obediência. Abraço a sua misericórdia, mas não consigo e não quero ser misericordioso com o meu irmão. Desejo o seu perdão, mas não sou capaz de perdoar o meu irmão. 

Nós que nos dizemos católicos, que nos alimentamos diariamente com a Palavra de Deus, com Eucaristia nas Santas Missas, que assistimos a tantas pregações do Padre Léo e tantos outros servos de Deus. Que participamos de retiros e acampamentos pela Canção Nova, que nos confessamos regularmente, precisamos sair de si mesmos e olhar para o nosso próximo. 

O nosso próximo muitas vezes é o nosso pai, a nossa mãe, o nosso irmão ou irmã. Mas também pode ser o nosso chefe do trabalho, um irmão evangélico, espírita, um ateu. O nosso irmão é aquele que está no mundo da drogadição, que está se prostituindo, vendendo o corpo em troca de dinheiro ou usando ele de forma indevida através da masturbação.

É um irmão que é homossexual e não se aceita, não consegue se amar, se acha uma aberração da natureza. É um irmão que está sofrendo com uma doença degenerativa e não tem cura. É um irmão que está esperando um transplante de medula óssea.

Há tantos irmãos nossos que estão precisando do nosso amor. Como diz o Márcio Mendes: "Quando um irmão sofre, ele não quer ouvir conselhos, ele quer ser amado." Seja católico, evangélico, ateu, homossexual, prostituta, se tem HIV, todos querem ser amados, todos nós precisamos de amor.


Precisamos aprender a sair de si e perceber que esse outro irmão trás em si um pouco de nós. Precisamos enxergar o irmão como ao próprio Cristo que sofre. Precisamos acolher cada irmão como acolhemos ao próprio Cristo. Esse é o nosso chamado! Essa é a nossa missão! Eis aí a nossa vocação! 

Nossa vocação é o amor. Amor que vai além das aparências, além dos limites, além da dor, além do nosso próprio egoísmo. O verdadeiro amor é aquele que nos faz perceber que somos iguais ao outro, seja ele quem for. O verdadeiro amor nos leva ir ao encontro do outro para partilhar o nosso amor, partilhar o coração. 

Quem ama vai ao encontro, quem ama se renuncia, quem ama esquece de si mesmo em prol do outro. Quem ama dá o seu melhor. Quem ama dá amor!

"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele." João 3, 16-17
Abraço fraterno...
Jonathan Melo

Um comentário:

  1. Concordo plenamente com cada palavra dessa postagem! Mal sabemos nós que essas pessoas, marginalizadas e rejeitadas pela sociedade, são elas justamente, que possuem um coração mais puro, uma doçura no olhar e uma singeleza na alma.Quiséramos nós, possuirmos a virtude e a sinceridade do coração dessas pessoas, rejeitadas por hipócritas, mas imensa e infinitamente amadas por Jesus. Certamente, entristecemos a Cristo, ao julgarmos e abandonarmos nossos irmãos, pelo simples fato de não comungarem de nossos ideais e pensamentos. Se fazemos isso, é porque não sabemos amar. E se não sabemos amar, que pessoas tristes nós somos!
    Que Jesus, rico em misericórdia e amor, ensine-nos a amar nossos irmãos, como Ele o fez. Se conseguirmos essa graça, aí sim, seremos CRISTÃOS no sentido pleno da palavra e estaremos seguindo o maior mandamento ensinado por Jesus: "Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado",Esse é o maior mandamento: AMAR! Quem não ama a seu irmão, não pode dizer que ama a Deus, pois Deus ama a todos sem distinção.Assim, peçamos ao Pai amado que nos dê a graça de verdadeiramente, amarmo-nos uns aos outros, sem julgamentos ou exclusões. Apenas acolhendo com carinho, amor e compreensão. Amém.!

    ResponderExcluir

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!