quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Quanto vale uma vida em Deus?

As manchetes do mundo inteiro foram tomadas pela notícia da norte-americana Brittany Maynard, que desistiu da vida, ao receber o diagnóstico de um câncer cerebral, do tipo mais agressivo. Sua decisão pelo “suicídio assistido”, colocando um basta em seu sofrimento feriu um dos direitos mais preciosos do ser humano, que é o Dom da Vida. Vida que recebemos de Deus e que devemos preservá-la para a salvação de nossas almas. Que o Senhor tenha compaixão e misericórdia de sua alma!

Philip Johnson, seminarista da Diocese de Raleigh (Carolina do Norte) escreveu um artigo, um testemunho belíssimo: “Um câncer, dois caminhos” respondendo a esta jovem, quando ela anunciou o suicídio. Ele declara que também foi diagnosticado com um câncer no cérebro, com apenas 24 anos de idade.
A doença pode ser grave ou se tornar menos grave, pelo modo como reagimos diante dela. A história de Philip teve um final diferente porque confiou em Deus.
Em seu texto ele diz que a doença faz parte da condição humana, onde “o nosso sofrimento pode ter grande significado se tentamos uní-lo à Paixão de Cristo e oferecê-lo pela conversão ou intenção dos outros”.

O sofrimento quando acolhido na paz transforma-se em sofrimento redentor.
Trago aqui um trecho do depoimento do Dr. Roque Savioli, por telefone com Nelsinho Corrêa, no velório do padre Léo:
“Durante o período de sua doença para mim foi impressionante, foi um crescimento, uma graça de Deus. Tudo o que eu li nos livros como encarar o sofrimento, eu pude presenciar de perto na vida do padre Léo, quando a gente vê os sofrimentos dos santos, aquela entrega, eu via no padre Léo”. 

“Um dos dias mais difíceis de minha vida foi quando tive que contar a ele sobre a sua doença. Na verdade, na grande maioria, a pessoa que tem esse tipo de câncer, morreria em três meses e ele repetiu o que me disse, durante a pregação na Canção Nova: ‘Roque, quero aproveitar todos os momentos desse câncer, porque daqui sairá um homem novo, um homem diferente’. Aquilo me tocou demais. Realmente tem um sentido o sofrimento, todos nós crescemos”. 

Olhando para o imenso oceano de desafios, padre Léo viveu inteiramente pela fé, e lançou-se confiante nas mãos de Jesus, superando todas as dificuldades da radioterapia e da quimioterapia. Viveu momentos de pleno deserto, mas também de profundo abandono em Deus. A doença provocou nele fortaleza e amadurecimento espiritual.
Esperar em Deus, viver em Deus é sentir a sua presença amorosa, mesmo que esteja atravessando o vale tenebroso da doença. Junto ao Senhor as forças se renovam para atravessá-lo. Viver não é só passar pela vida. A vida não vale nada sem Deus, porque o que vivemos aqui continua no céu.  

Escolha tipo e tamanho da fonte do texto:

0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!