quinta-feira, 31 de março de 2016

A cura do ressentimento


"Mesmo em cólera, não pequeis.
Não se ponha o sol sobre o vosso ressentimento." 
Efésios 4, 26

Olá meus queridos e amados irmãos em Cristo Jesus, que o perdão de Deus perdoe os vossos pecados e os capacite a perdoar! Eis aí um grande, mas imprescindível, desafio para nós alcançarmos a cura do nosso coração: a cura dos nossos ressentimentos. É fundamental que tenhamos a coragem de assumir a realidade de que temos coração ferido e machucado, como nosso querido pai padre Léo nos ensinou e que a cura dessas feridas começa com o perdão.


É fato que muitos de nossos sofrimentos vem através dos relacionamentos que nós vamos vivenciando ao longo de nossas vidas. É por meio deles que o nosso coração sofre decepções, traições, é ferido, machucado, muitas vezes manipulado e isso trás um grande estrago para ele.


Com o tempo a dor diminui e nós achamos que superamos a situação. Só que existe um veneno silencioso que está instalado no nosso coração, ele é tão silencioso que muitas vezes não o percebemos: o ressentimento. Ele entra sem pedir, vem através dos maus tratos, de ofensas, de desrespeito. 


Ele causa um mal tão grande, que nos faz olhar para a direção errada, ou seja, ele nos foca no agressor, em quem nos feriu, nos machucou, enquanto ele se instala gradativamente em nosso coração. Só que ele não para por ai. Ele vai se alimentando, todos os dias, das lembranças das situações onde fomos feridos. Nossa mente vira um inferno emocional com lembranças sofridas e dolorosas. Quanto mais lembramos, mais ele se alimenta e mais aumenta. Só que quanto maior ele vai ficando, mais silencioso ele fica.



"A gente vai se tornando ruim porque vai deixando o coração guardar umas futricas velhas: é mágoa, ressentimento, é uma palavrinha aqui, acolá..." Padre Léo - Pregação Deus me amparou.

O problema é quando ele, de alguma forma, torna o nosso coração cheio de amor em um coração de pedra, ressecado, insensível, reflexo de muitas dores. Vamos vivendo achando que já superamos o fato e não percebemos que estamos enfermos. Vamos vivendo relacionamentos superficiais ou não conseguimos, de fato, nos relacionar. Ficamos a margem, não nos envolvemos, não nos abrimos, não confiamos, ou seja, não vivemos mais, porque se relacionar é viver, se relacionar é comunhão, Deus é um Deus que é trino, é comunhão, só que com o coração ferido e machucado, não conseguimos viver em comunhão.


E continuamos a olhar na direção errada, ou seja, olhando para nossos agressores, para as ofensas, para os desrespeitos e com isso vamos vivendo um processo de vitimização e começamos a fazer a oração da lamúria. Por isso meus queridos amigos, para a cura dos nossos ressentimentos, precisamos, com urgência, nos lançar direto no Coração de Jesus, fonte de infinita misericórdia. Para curar o nosso coração ferido e machucado, precisamos lançar toda a nossa miséria, toda nossa fraqueza, todos os nossos erros e pecados dentro dessa infinita fonte de amor que é o Coração de Jesus.


"...  no momento em que algo me ofendeu, no momento em que alguém cometeu um pecado contra mim, ao invés de ressentir (porque se eu ressentir em cima disso eu vou criar uma situação de inferno) eu posso transformar essa situação numa situação salvífica na hora em que eu tomo posse da graça de Deus na minha vida e levo o problema do outro para a ternura e misericórdia do nosso Deus." Padre Léo - Pregação Não se ponha o sol sobre o vosso ressentimento 

Quando acontecem essas situações que nos machucam ou nos ofendem, quando nos sentimos fracos, desanimados, com medo do mundo, da vida, com medo de sofrer, não há outro caminho senão nos lançar nos braços de amor e misericórdia de Jesus. Triste é que muitas vezes passamos e repassamos o filme estragado em nossas mentes, por vezes desabafamos com amigos e contamos a situação várias e várias vezes, mas não contamos, não desabafamos, com o único que é capaz de transformar essa experiência de dor e sofrimento em canal de cura e libertação: Jesus!

Por isso hoje precisamos romper com esse padrão de comportamento nosso. Precisamos construir um novo hábito. Precisamos começar a transformar os fatos estragados de nossa vida em oração. Precisamos buscar viver intimamente ligados a Jesus. Ele quer e precisa ser o nosso amigo mais íntimo, mais fiel, mais presente, amigo de todas as horas.


Vamos rezar:




Abraço fraterno

Jonathan Melo

0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!