segunda-feira, 4 de julho de 2016

Pe. Léo fala sobre seu irmão Dodô - Trecho da pregação "Os caixotes das drogas"

"Eu perdi um irmão com 43 anos, no ano passado. Um pai de família que deixou três filhos. E eu cuidei dele nos últimos dias. Dodô era mais forte do que eu. Quando foi sepultado tinha uns trinta e poucos quilos. Não era ele! A gente olhava praquele corpo deformado e dizia: 'Não pode ser ele!'. Bonito. Moreno do olho verde. Lindo! Mas que vitória do encardido! Graças a Deus, nos últimos dias de vida, graças a Irmã Jucelmina, lá do Hospital das Irmãs de Santa Marcelina, em São Paulo, ele se encontrou com Deus. Pude dar o sacramento da Unção dos Enfermos pra ele no dia 10 de dezembro. E ele estava lúcido. Ele ainda me disse: 'Anteontem foi seu aniversário do ordenação, né? E eu era o seu padrinho.' Foi meu padrinho de ordenação. 




Um dos maiores presentes que Deus me deu foi poder dar essa Unção dos Enfermos e absolvição pra ele. Morreu muito bem. Mas é terrível, gente! É terrível ver um homem de 40 e poucos anos destruído, ser sugado pelo encardido. Sugado! Sabe, quando eu eu vejo uma criança com aquele canudinho tomando Coca-Cola? A cachaça é aquele canudinho que o encardido usa para sugar a dignidade da pessoa... A honra da pessoa!"

Padre Léo

Trecho da pregação: Os caixotes das drogas.

Para adquirir essa pregação, clique aqui

0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!