quarta-feira, 4 de abril de 2018

Racismo: a luta continua...

Hoje, 04 de abril, o mundo relembra 50 anos do assassinato do pastor da Igreja Batista: Martin Luther King, que se tornou o maior líder na luta pelos direitos dos negros nos EUA. Lutou contra as leis criadas para manter os negros separados dos brancos.
A sua morte em 1968, não enterra o sonho da igualdade racial, diz o seu filho. A voz do “Dr King” ecoa para ir contra o racismo hoje. Somos chamados a viver o amor no serviço aos irmãos.


Trazemos aqui um texto atualíssimo do livro: “Rastros de Deus”. O capítulo: “Como está a Terra? , padre Léo nos fala de um planeta que pede socorro.
“Ao acordar, Leão refletia em tudo o que estava lhe acontecendo... a terra dos homens tão sofrida e machucada pelos próprios homens. Pensava muito no mundo inteiro, nas grandes preocupações do mundo dos negócios, nas contradições presentes... Como é difícil compreender o racismo, a fome, a guerra e tantas outras coisas que acontecem no mundo”.

A lembrança de seus amigos negros o fez sentir saudades, sonhar, olhar à frente, na busca de um mundo melhor.
“Leão olhou com tristeza para o Brasil e amou profundamente os negros. O verdadeiro Brasil é o país do negro. Sua padroeira é negra, sua comida típica também é negra. Lembrou-se com saudade dos seus tempos de adolescente, quando passava grande parte de seu tempo na casa de sua amiga e mãe negra. Que saudade estava sentindo de Dona Ditinha, a quem carinhosamente chamava de Madrinha. Que negra maravilhosa, que havia lhe ensinado tantas coisas, inclusive a amar melhor os brancos.
Leão lembrou-se do Padre João Batista, daquele riso maravilhoso, que mandava embora tantas tristezas. João era, de fato, um irmão muito querido. Com ele, aprendeu principalmente a saber sorrir, mesmo que este sorriso fosse molhado por uma atrevida gota de lágrima”.

Martin Luther King fez de sua vida um ideal,sonhava com um mundo de paz, um mundo fraterno, todos de mãos dadas, caminhando numa mesma direção, aprendendo uns com os outros a amar.
“Afinal, quem melhor viveu a paz e pela paz do que Martin Luther King? Infelizmente, o negro é menosprezado, diminuído. E ele estava profundamente convencido de que, enquanto o mundo separar os homens pela cor da pele, estará incapacitado para amar,para enxergar além das aparências”.

Precisamos redescobrir, pela intercessão de Maria Santíssima, a mãe negra do nosso Brasil, que somos todos irmãos, e que sem amor não haverá superação do racismo. Sem amor não haverá vida fraterna.
Martin Luther King,” prêmio Nobel da Paz, pelo combate da desigualdade racial pela não violência”, lutou muito para concretizar o seu sonho de paz. Dizia: “Quando você perde a esperança, perde tudo”.
A esperança não é utopia. Apesar de tantas contradições, uma luz chega aos nossos corações. A verdadeira paz é dom de Deus, portanto vem de Deus, e nos faz "participantes dessa paz". Maria nos trouxe o autor da paz, o príncipe da paz. E vamos construindo essa paz, à medida em que buscamos a comunhão com Jesus, o único capaz de nos dar a graça de sermos construtores da paz.
“É necessário sermos paz. É necessário lutarmos pela paz, colocando a paz como meta e estratégia de nossa luta”.



0 Comentários:

Postar um comentário

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!