Nosso futuro pertence a Deus!

“Procure compreender a obra de Deus, porque ninguém endireita o que Ele encurvou. Esteja alegre no dia feliz, e no dia da desgraça procure refletir, porque um e outro foram feitos por Deus, para que o homem nunca possa descobrir nada do seu próprio futuro” (Ecle 7,13-14).

Por maior conhecimento que temos, não conseguimos decifrar o que nos acontecerá no futuro. Mas uma só certeza trazemos ao coração: não atingiremos a verdadeira felicidade, a não ser no seio de Deus.
Nesse contexto Marlon Arraes, autor da Biografia do padre Léo, narra com riqueza de detalhes a trajetória de um homem que descobriu o verdadeiro amor, que completa, que constrói, o amor que impulsiona a uma vida totalmente transformada.
A parte VIII (Diamante burilado), o ápice do livro, segue os passos do homem que sofreu, mas  soube dar sentido a seu próprio sofrimento, na sua fragilidade confiou plenamente em Deus e perseverou na fé até o fim. Deus o provou no fogo para lhe tirar todas as arestas.

Padre Léo foi chamado a testemunhar Cristo Crucificado. Os primeiros sinais indicando que havia alguma coisa mais séria em seu corpo começa no final de 2005.
“Pouco depois do Natal, durante a celebração de uma missa no Recanto, Pe. Léo percebeu que sua boca começou a retorcer, repuxando involuntariamente a musculatura da face. Isso nunca havia acontecido antes... Ele, então, decidiu seguir, após o Acampamento do Ano Novo, para Itajubá, e passar alguns dias com sua mãe para curar dois problemas que o estavam incomodando: sua boca, que agora estava mais inchada do que o normal, e seus pés, que estavam com uma frieira que teimavam em não sarar”.

Aos poucos, padre Léo foi compreendendo o que Deus lhe reservava. A pedra bruta ia sendo   lapidada. É o Senhor  agindo em cada acontecimento, de forma soberana.
Em nossa caminhada cristã cremos que o Senhor está sempre ao nosso lado, dando-nos a sua assistência, o seu amparo. “Mesmo bastante cansado, Pe. Léo marcou presença no Acampamento de Ano Novo na Canção Nova...”
A sua natureza missionária foi mais forte, a sua sede de evangelizar foi extremamente maior do que a dor que sentia. Estava ali pregando para milhares de pessoas, uma entrega a algo maior, algo que transcende. “Toda a dificuldade de sustentar uma pregação com a energia com que o povo estava acostumado já era um reflexo da doença que avançava rápida e silenciosamente”.
Nesse Acampamento de Ano Novo, pregou sobre o Mandamento da Lei de Deus: Não Matarás (30/12/2005), Não pecar contra a castidade (30/12/2005), Não furtar (31/12/2005), e Purificar nossos desejos (31/12/2005).

Após momentos de cura no convívio com sua família em Itajubá, enfrenta os desafios da volta à Canção Nova. “Pe. Léo teve uma enorme dificuldade para descer a serra. Em seu carro ele passou muito mal, tendo dificuldade para enxergar a estrada, seus músculos tremiam. Tudo isso o forçou a parar o carro várias vezes no acostamento... A doença já estava tomando conta de seu corpo e alterando seu estado clínico”.

Não podemos opor-nos aos desígnios de Deus. Padre Léo passará pela “ noite escura”, assim chamava o poeta e místico São João da Cruz, referindo-se a esse encontro com a dor.
Nadando contra a própria correnteza, contra a correnteza do mundo, depois deixando-se vencer, descobre a verdadeira dimensão de sua vida cristã: fazer a vontade do Senhor.

Adquira a Biografia Padre Léo- acesse: www.bethania.com.br



Compartilhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são moderados antes da publicação no blog. Comentários anônimos não serão publicados.
Deixe seu nome ao final do comentário.

Comente este Artigo.
Quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

O Blog Padre Léo Eterno agradece sua participação.
Deus lhe abençoe!

Arquivo do blog

Postagem em destaque

Canção Nova relembra os 12 anos de falecimento do padre Léo

Neste mês de janeiro, especialmente dia 04, quando foi chamado à vida plena, relembramos   uma pessoa muito querida, e bate em nossos coraçõ...